sábado, 23 de abril de 2016

Introdução aos alimentos sólidos

Completados os 6 meses de amamentação em exclusivo, tal como é recomendado pela OMS, chegou a altura de fazer a introdução dos alimentos sólidos na alimentação dos bebés.
Começámos por fazer a introdução à fruta: na terça-feira passada comeram pela primeira vez banana esmagada com um garfo. O Pedro sentiu vómitos várias vezes, por entre várias caretas, mas a Inês gostou da papa de banana. No dia seguinte experimentámos manga, que comeram até ficarem fartos desta nova actividade. Próximos frutos a experimentar: papaia, pêra e maçã.
Depois da fruta, começaremos com as sopas e iremos trocar ou adicionar um vegetal diferente, de cada vez que fizer uma nova sopa. Também irão comer papas de cereais, primeiro sem gluten e depois com gluten, para que possam ser introduzidos no gluten antes dos 7 meses, conforme é recomendado, para que não desenvolvam intolerância ao gluten.
Para além desta tradicional introdução alimentar, iremos seguir como complemento a técnica de baby led weaning, pela qual o bebé se alimenta pelas suas próprias mãos, para explorar os alimentos e comer alimentos com mais satisfação, que não é forçado a comer, porque o bebé escolhe entre varios que tiver à disposição. Esta técnica permite ao bebé ganhar destreza com as mãos.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Mordidelas de bebé

O bebé Pedro está muito maroto! Acabou de morder o mamilo da mamã enquanto mamava. Claro que gritei um "ahhhhh" e lhe disse um "não". O Pedro repete a gracinha, para ver o efeito acção-reacção.  A minha reacção foi a mesma. Voltou a repetir a gracinha, para ter a certeza da reacção. A minha reacção foi igual e retirei-o da mama.
Espero que a experiência dele tenha tido uma conclusão.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Unhas de bebé

Foi a primeira vez que usei uma tesourinha de pontas redondas, para cortar as unhas dos bebés. Até agora usava sempre a lima de cartão, como tinham ensinado no hospital, porque temia cortar-lhes um dedo! Eles mexem imenso as mãos e os dedos, é difícil fazer-lhes a manicure! Mas é preciso tratar das unhas todas as semanas, senão arranham-se logo na cara.
As unhas de bebé são minúsculas e crescem num instante!

sábado, 27 de fevereiro de 2016

A perder peso com a amamentação

A última pesagem mostrou que já só peso 63kg. Menos 20kg que o meu peso final na gravidez e quase menos 10kg que o peso inicial da gravidez.
Amamentar em exclusivo os gémeos tem sido uma coisa muito positiva, tanto para eles, como para mim. O meu corpinho é uma fábrica de leite, que queima gordura para gerar leite. Excelente!

Vacinas dos 4 meses

Foi na semana passada que os gémeos fizeram 4 meses e lá fomos nós para o centro de saúde para serem vacinados.  Para além das vacinas do plano nacional de vacinação, os gémeos levaram a 2a e última dose da vacina Rotarix, a tal vacina contra o rotavírus, que é a tal gastroenterite poderosa que ninguém quer apanhar cá por casa.
Esta vacina é muito simples de dar, é só um líquido que os bebés têm de beber, não lhes custa nada.
Para além desta vacina, levaram uma pica em cada perna. Ela nem chorou com a 1a pica, ah valente! Mas com a 2a pica já não se deixou surpreender e chorou. Ele chorou com ambas as picas. O que vale é que este é um choro muito rápido e com uns miminhos fica logo resolvido.
Tal como nas vacinas dos 2 meses, não fizeram febre e ainda bem! Os supositórios de Ben-u-ron 125 ainda estão por estrear e enquanto isso acontecer, é bom sinal.

Sabiam que existem 2 vacinas contra o rotavírus? Existe a Rotarix e a Rotatec. A diferença entre ambas é simples: a Rotarix administra-se em 2 doses, enquanto que a Rotatec é administrada em 3 doses. Para além desta diferença, também difere o preço: cada dose da Rotatec fica em 51 euros, enquanto que cada dose da Rotarix fica a 70 e tal euros ou a 58 euros (consoante a farmácia). Será o preço antigo e um preço novo? O que é certo é que na farmácia onde comprei da 1a vez foram 70 e tal euros cada vacina e ao ficar a saber de uma farmácia onde vendiam a 58 euros, desta 2a vez fui lá e realmente comprei cada uma por um preço mais barato. Vá-se lá perceber isto.

Troca de olhares

Hoje coloquei os gémeos frente a frente, tal como já tenho feito mais vezes, para que se possam ver mutuamente. Como resultado, hoje interessaram-se um no outro, ela palrou para o irmão e ele retribuiu o gesto, com um sorriso. Ficaram a olhar-se mutuamente durante algum tempo, tiveram curiosidade em tocar um no outro, deram as mãos, ela começou a bater na mão dele, enfim, deram-se conta da existência de ambos.
Achei o momento deveras delicioso e fartei-me de rir com as reacções deles.
Já tinha tentado mais vezes que interagissem um com o outro, mas ainda não tinha conseguido. Até agora, só um olhava para o outro durante breves momentos e o outro nem ligava. Hoje foi o dia.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Quantidade de leite que um bebé precisa

Para se saber a quantidade de leite que um bebé deve ingerir, existe uma fórmula que estabelece uma relação entre o peso do bebé e as necessidades diárias de leite.

Multiplica-se o peso do bebé por 150 e divide-se pelo número de mamadas de um dia. Por exemplo, para um bebé de 3kg, que é alimentado 8 vezes por dia, multiplicamos 3x150/8 = 56ml de leite em cada refeição do bebé.

A nós aconteceu, quando o menino ainda não sabia mamar e bebia leite extraído dado através de biberão, ele continuar a chorar após beber a quantidade recomendada, e assim íamos dando mais um pouco até chegar quase ao dobro da quantidade recomendada. Viemos a saber que o choro destes dias não era de fome, embora parecesse. Era simplesmente porque é normal os bebés chorarem, precisam de miminho e aconchego, talvez estivesse já com cólicas.
Por isso não vamos empanturrar os bebés de leite, só porque choram, ok? Leite a menos é prejudicial, mas leite a mais também o é.